quarta-feira, 19 de outubro de 2016

MAZZAROPI, UM DOS MEUS GRANDES ESPELHOS

Aoooooooooooooooo sertão véio da minha vida sô!!!
Finalmente realizei um dos meus sonhos de caipira aqui da roça... cconhecer o MUSEU MAZZAROPI lá em Taubaté-SP, terra também do saudoso e grande escritor Monteiro Lobato.



Comecei a gostar de Mazzaropi na verdade mais depois de véio quando comecei a entender a parte da tradição que este grande ator tem no povo aqui da roça e assimilar tal sentimento que traz ao ver suas películas, o por quê fez tanto sucesso entre o povo, principalmente, aqui do interior de SP nos anos 50, 60 e 70 que eram grande maioria migrantes rurais que vieram tentar a sorte na cidade grande ou mesmo por precisão da época.


Um dos velhos projetores que existiu na época de Mazzaropi

Amo muitos filmes dele, principalmente os mais antigos, que são dos anos 50 e 60, pois nesta época era quando ele se importava ainda com as histórias e não filmava a torto e direita só por causa do nome quando começou a ocorrer nos filmes dos anos 70, já sabendo que qualquer coisa que fizesse tendo seu nome, o cinema iria lotar de qualquer forma.


Microfone de Grua que pertenceu a Mazzaropi e foi uma revolução para época, pois não precisaria mais dublar depois de gravar as películas e sim gravar direto ao fazer as filmagens

roupão verdadeiro com as notas verdadeiras do filme NADANDO EM DINHEIRO

E algo que aprendi a admirar dele foi seu tino empreendedor, que para época, foi algo inédito, que quando saiu da falecida PRODUTORA VERA CRUZ, montou sua própria produtora, a PAM FILMES e começou a produzir seus próprios roteiros e dirigir, foi aí que ele deslanchou de verdade e enriqueceu muito para época.

Arma que Mazzaropi usou no filme UMA PISTOLA PARA DJECA onde ele dizia que era para matar veado na curva!

Documento de Autorização do tempo da Ditadura para liberação de seus filmes, sabendo que nunca teve nenhum filme censurado pois dizia que queria a família toda nas salas de cinema

Bules usados em vários filmes do Jeca

Sua mãe, Clara Mazzaropi disse uma frase que eu quando li fique pensando e ri depois: DEUS ME DEU UM FILHO SÓ, E ME DEU LOUCO!

Como disse Mazzaropi em uma de suas últimas entrevistas: EU FAÇO FILMES PARA O POVO POIS É O POVO QUE DÁ O DINHEIRO PARA OS FILMES E NÃO A CRÍTICA!


Móveis que foram utilizados nas filmagens de alguns filmes

Cartaz original do filme que eu mais gosto dele, CANDINHO

Começou sua vida artística no circo aos 14 anos, depois foi para a rádio e em seguida para a TV e depois de tudo virou cineasta e lotando cinemas pelo Brasil de meu Deus.

POSTER original do Jeca Tatú e a verdadeira bota que o JECA utilizou nas filmagens, junto com algumas peças de roupa que era de posse pessoal com seu nome bordado a mão

Vários ítens para ver no Museu e aprender com o tour

Mazzaropinho que fiz questão de comprar para deixar na minha mesa de trabalho para ter boas doses de criação! rsrs
Eu me considero um caipira sim sinhô aqui do mato onde vivo, pois coisa que prezo muito são minhas raízes, pois tal origem não pode se ter vergonha e sim orgulho, pois morei até no centro de São Paulo em um dos bairros mais luxuosos, mas sempre o saudosismo me batia e via que aquela luxuria toda que era servida nunca foi pra mim, eu amo pisar descalço na terra, pescar com caniço ou carretilha, beber água direto da roda dágua que tem perto do açude onde pesco e neste calor que está fazendo aqui de noite, ver o brilho de milhões de estrelas no céu, e isso meus amigos.... não tem preço sô!!!!

Eu na cena do filme que eu mais gosto dele que é o CANDINHO

Chofer de Praça e eu no volante!

Eu contando pro Mazzaropi sobre minhas pescarias de traíra aqui na roça sô!
Mazzaropi morreu de câncer na medula em 81, deixou uma fortuna de mais ou menos uns US$ 70 milhões na época e ficou tudo para sua mãe que também morreu 2 anos depois do filho, seu dinheiro foi repartido entre parentes distantes e amigos mas seus bens, como fazendas e o estúdio para o governo que logo após, foi tudo leiloado.

Mas a essência do velho caipira, ou seja, o JECA, viverá na mente de muitos por muito e muito tempo, principalmente para quem gosta de algo "raiz do mato adentro" e caipira que é o interior de tem em todas as regiões do Brasil.