terça-feira, 24 de fevereiro de 2015

MELHOR VIDEO DE TRAÍRA ATÉ HOJE! ATAQUE SUBMERSO!

Aooooooooooo povo que eu amo demais da cooooonta sô!
Foi postado hoje em uma página do Facebook de pescaria um video que eu achei simplesmente PERFEITO!!!

O melhor "close" que eu vi até hoje de uma traíra em seu ambiente natural e o melhor de tudo é que ela não estava fisgada!!!!!
Tem uma parte que ela aparece atacando várias e várias vezes a mesma isca provando minha teoria, que a traíra (diferente do tucunaré) ataca quantas vezes ela quiser e tiver disposição e aparece ela também refugando a isca quando sente que não é presa de verdade e cospe fora! E quando ela não quer a isca também, pode passar no nariz dela que nem liga pra isca!

Realmente para eu, foi o vídeo do ano até agora!!!!!


Nova forma de pescaria... CAIAQUE!

Oláááá povo bão demais da conta desse meu rincão boiadeeero sô!
Hoje em dia está se popularizando muito uma nova modalidade de pesca, que em alguns lugares se tornou comum já, que é a pescaria com caiaque.
É um meio leve, rápido e bem mais barato que um barco de alumínio e pode ser colocado no bagageiro do carro tranquilamente sem necessidade de carreta e toda parafernalha que a pescaria de barco comum necessitaria.
Os caras colocam até sonar no caiaque para a pesca se tornar mais produtiva sô!!!
Estou namorando um para eu faz tempo e estou quase comprando um de 2 lugares (eu + muié!!! hihhihi) e ainda pesquisando modelos, pois preço não varia muito não. Tive um bote inflável de 4 lugares e digo pra vocês que ficar inflando era um PÉ NO GRÃO literalmente, era chato demaaaaais da conta. Apesar que pra guardar era só desinflar e colocar no porta-mala do carro e já era. Apesar que existe caiaques infláveis e se são duráveis, duvido muito!!!
Meu sonho de consumo de pescaria, um caiaque com 2 lugares!!!!
Mas a durabilidade durou apenas 4 anos e depois de um furinho ele rasgou por completo e não teve mais conserto.... piquei na unha e mandei pro inferno! Agora vou pegar um caiaque que não tem tal problema mas o investimento inicial é maior mas vale a pena, pois pode até colocar um motorzinho elétrico (se quiser) e até um sonar.... por que não?
Até já saiu e sai algumas edições sobre esta modalidade em revistas de pesca
Mas por enquanto fico apenas assistindo mais um vídeo do nosso amigo do blog Emerson Stabile, que é um grande pescador de Hoplias (tem cara de gaúcho tchê! rs) e mostrando e ensinando suas técnicas de pinxo da ditacuja por este sertão afora.

quinta-feira, 19 de fevereiro de 2015

VIDEO MUITO SHOW! PESCARIA COM BUZZBAIT

Aooooo sertão véio do meu rincão pescatício sô!!!!
To postando aqui pra toda turma, um vídeo muuuuuito batuta feito pelo nosso amigo Emerson Stabile que adora lidar com as dentuças num lugar chamado Riacho Grande (queria saber onde fica viu! hiuhihih) e mostra que tem muuuuuita hoplias por lá que adora abocanhar uma isca artificial.

Vale a pena conferir pra quem adora brincar com um buzzbait junto a hoplias, pois até agora não tive sorte com esta isca mas vou continuar lidando pra ver se um dia pego e posto aqui também!


terça-feira, 10 de fevereiro de 2015

Pescaria Rápida num fds de Janeiro!!!

Oláááá pescadozada do meu rincão boiadeeeeeero sô!
To postando umas fotos da última pescaria do mês passado e foi bão barbaridade por demais da cooonta sô do céu. Levei meu "piá" pra pescar comigo e se embrenhamos no meio do banhado e aguapés para tentar a sorte com as dentuças.

Indo pelo caminho da lagoa mais perfeita que eu conheço de hoplias sô!

E meu bebê gigante comigo!
Nas primeiras jogadas não deu muito certo, só depois de quase meia hora que bateu a primeira Hoplias, e dessa vez o que bateu consegui fisgar todas sem choro!!!! Tava tão, mas tããããão quente que as Hoplias estavam na beirada do açude de barriga pra cima passando protetor solar (juuuuro que é veeeerdade sô!!!). A água estava paradinha e muito quente, cada pisada que dava subia um cheiro fedido de privada por causa do lodo velho e decantado de mil anos.
Hoplias pindurada na minha perereca!

Tava tão bom o pincho que vim embora quase escurinho e os corrupião cantando na boca do escuro e as perereca também, mas valeu muuuito a pena pois peguei no total 4 traíras, todas pequenas mas valentes que pareciam até tucunaré puxando sô!
Caramba como eu to gordo poooooow!!!

Mas na verdade valeu o momento de um dia perfeito ao lado do meu "bebê" gigante e de um cenário que só quem pesca entende o que estou dizendo, pois pescaria de traíra realmente, não tem preço!!!! 

terça-feira, 20 de janeiro de 2015

ESPÉCIE NOVA OU ANOMALIA???

Olááá povo bão demais da connnnta sô!
Hoje vendo o Facebook, postaram numa página de pesca uma foto de uma Traíra Albina!!!
Hoplias albina para eu é novo!!!!
Eu já havia ouvido tal fato uma vez na Globo Rural que falou a respeito sobre alguém que tinha fisgado uma traíra avermelhada e creio que deve ser a mesma situação.

Se tiver algum biólogo para explicar ou conseguir tentar alguma explicação plausível, pode postar pra gente aqui!!

quinta-feira, 8 de janeiro de 2015

Primeira pescaria de 2015 sô!!!!

Aooooooooooooo sertão véio sem porteeeera, sô do céééu!!!

Que saudade estava de entrar dentro do açude no meu lugarzinho especial onde eu pinxo há 15 anos, ficando com água até o peito e lançando minhas iscas!!!! Isso realmente não tem preço que pague!!!

Então que comece 2015 com muuuuuuuita pescaria de Hoplias sô!!!!!


Escolhendo as iscas para o pinxo.

Tava um calor d o cão, peeeeeeeeeensem num calor de fritar ovo no asfarto quente, eu me queimei só de ficar na sombra pra vocês terem ideia (juuuuuuro que é verdade sô!). Como eu tava necessitado de uma bela pescaria e não poderia ser outro lugar a não ser neste meu santuário particular que descobri faz uns 20 anos mas comecei a pescar mesmo a cerca de 15 anos.


Já no açude, visualizando primeiro para ver se não tem jacaré ou sucuri na beirada! hihihihihi
Iscas já atadas e prontas para o pinxo
Esse canarinho da terra tá fez ninho na beirada do sítio numa cabeça de vaca velha. Pensem num passarinho encrenqueiro e brabo. Vixe!!!!!
Comecei a bater em forma de leque em sentido esquerda pra direita e depois de muitas batidas e estouros na pobre isca engatei a traíra de baixo. Depois bateu mais algumas mas não peguei nada.

Ultima foto antes de eu me embrenhar dentro do açude e ficar com água até o peito!
A tarde voltei ao açude comecei a bater do outro lado, batata!!!! Bateu uma gigante quase na beirada que levantou onde e aguapé até! Tornei a jogar e BINGO!!! Engatei e começou a briga, e de repente a ponta da vara vem com tudo pra cima e a linha chicoteia sem a isca... Como que arrebentou se eu uso Multifilamento caramba???? Creio que não atei direito a isca e não conferi o nó (é a única explicação plausível que tenho no momento).

Aooooooooooo hoplias no alicate de contenção, entrou na popper frog, minha preferida!!!
Depois desse incidente coloquei outra frog de outra cor (vermelho e laranja) e não é que engatei outra quase perto de mim? Puta susto!!!! Mas depois disso parou as batidas e vim embora.

Pose com meu troféu, faltou a outra menor, mas voltou para a água, essa dei pra tia fazer um fritado em rodelas! Hummm

Resumindo a prosa pescadozada: Valeu muuuuuuuuuuuuuuuuito essa pescaria para desestressar do outro ano que foi PUNK pacas pra mim e que este 2015 venha muuuuuitas Hoplias para todos nós!!!!

sexta-feira, 12 de dezembro de 2014

HOPLIAS NA CRANCKBAIT!

Aoooo sertão véio sem porteeera sô!
Estava lendo o site da revista Pesca & Cia e achei uma matéria muuuuito mais que interessante escrita pelo nosso BIG pescador famoso LESTER SCALON, onde ele ensina os macetes para pescar com a iscas de meia água e como turbiná-las para ficarem mais atrativas. Leiam que é uma matéria que acrescentará muuuuuito ao teu conhecimento pescatício de Hoplias.

Traíra sapateando na flor dágua, não tem preço por tal cena sô!!!

Todo pescador tem certa intimidade com a espécie e vale a pena sempre ter as cranks à disposição na tralha para “decidir” esta pescaria.



Por que pescar a traíra na meia água? Trata-se de um peixe que podemos classificar como “de ponto”, aqueles que sempre estão no mesmo local do rio ou do lago. Variando muito pouco a sua movimentação. Essa movimentação ocorre com maior percepção para o pescador de acordo com o nível da água no “ponto de pesca”, com sua turbidez , com a temperatura ou época do ano, e com a hora do dia.

Normalmente é um peixe que prefere águas rasas, mas quando a temperatura esfria um pouco seja por uma frente fria ou época do ano, ou hora do dia, a tendência da traíra é procurar uma zona de melhor conforto de temperatura.

Hoplias não resistiu a Cranck amarela e laranja


Por isso, quando esfria, ela vai para uma profundidade um pouco maior onde a água normalmente está mais quente. É justamente quando elas estão numa profundidade um pouco maior que o uso das cranck baits se tornam a melhor opção.
Quando decidimos usar uma isca cranck bait é porque já avaliamos a situação daquele momento da pescaria, e sentimos a necessidade da sua utilização.
Mas qual a cranck devemos usar? Isso vai depender da profundidade do local onde achamos que elas estão. Nesta situação um sonar cai como uma luva, se não tiver tem que ser no bom senso mesmo.

Lester e sua Hoplias puladera na superfície!

Tenha sempre várias opções de cranck baits na sua tralha, e o objetivo principal é encontrar a isca que vá o mais próximo do fundo possível, pois as traíras normalmente ficam no fundo escondidas nas estruturas e sombras, caçam de tocaia, então quanto mais perto a isca passar do seu ponto de espreita maior a chance do ataque. Lembrando que se tiver muita pauleira no fundo a isca tem que passar por cima e não ir tão fundo, senão vai enroscar.
Ambiente perfeito para a ditacuja, vários esconderijos para tocaia.

Tem que despertá-las!
Quando as traíras estão no fundo ficam mais preguiçosas, então trabalhe a isca mais lenta, com pequenos toques e paradinhas, se a isca tiver um chocalho melhor ainda, o barulho e a vibração do mesmo pode despertá-la da “preguiça”.
A traíra é um peixe muitas vezes imprevisível e quando estiver pescando nunca desista até a isca sair da água, pois muitas vezes elas não atacam no fundo e o pescador na ânsia de um novo arremesso já deu como perdido o recolhimento que nem acabou ainda.
Quando a isca vai sair da água é o momento que elas atacam, nesta hora se a fricção não estiver bem regulada e o pescador atento é muito fácil quebrar a ponta da vara, pois, no susto, o instinto é fisgar e numa situação destas é muito comum dar tudo errado.
Se não estiver tendo sucesso mude a velocidade do recolhimento, a forma das paradinhas, a cor e o modelo da isca. Elas costumam ser muito manhosas e temos que insistir com mais de um arremesso no local. Eu particularmente quando vejo um potencial maior num ponto insisto com vários arremessos, o pescador não pode ser preguiçoso como elas. Lembre que a isca para afundar e chegar na profundidade desejada tem que percorrer alguns metros, então o arremesso tem que um pouco mais longo que o suposto local onde achamos que o peixe está.

Tenha um leque de iscas para cada situação 

Dica eficiente

Uma boa opção para fazer um diferencial é customizar sua isca adicionando um pouco mais de peso para torná-la suspending ou quase.
Para adicionar peso é só fazer um pequeno furo e colocar esferas de chumbinhos e ir testando num balde de água o quanto ela esta afundando ou boiando mais lentamente. Algumas só ao trocar as garateias já as tornam quase suspending.
São situações onde o pescador tem que usar sua criatividade e decidir o que deseja fazer. Este processo é uma boa opção para quando der uma paradinha um pouco maior a sua isca vai ficar mais quieta no fundo, dando um tempo maior para a traíra decidir atacar.
As iscas cranck com toda certeza tem que fazer parte da tralha de todo pescador. Então o que está esperando? Estamos no frio na região Sul e na Sudeste, e as traíras já foram para os locais um pouco mais fundos. Pegue sua tralha com várias crancks e mãos à obra.

BIG Trairão pego na cranck
Fonte da matéria: Site da Revista Pesca & Cia              http://revistapescaecompanhia.com.br/